Beatriz Cerqueira, do Sind-UTE MG lança nota aos profissionais da educação e comunidade

Sind-UTE lança um comunicado a sociedade referente ao retorno das aulas no próximo dia 17 de abril.

“No dia 17 de abril, professores e professoras, Auxiliares de Serviços, Assistentes Técnicos, Especialistas da rede estadual deveriam ser recebidos com flores e abraços em cada escola estadual! E o que mais de bom cada um pudesse dar! Deveria ter uma grande mesa para um café da manhã/almoço ou jantar coletivo homenagem a cada um que aderiu à greve nacional da educação.
Ontem foi uma assembleia difícil, porque as pessoas vieram com expectativas diferentes! Prevaleceu o que a maioria votou. Mas não é possível resumir o movimento a uma assembleia. Não são raras as vezes que fazemos isso e perdemos a oportunidade de consolidarmos nossa força de articulação entre nós e na sociedade! Por vezes cometemos o erro de achar que a greve é um fim em si mesmo e não um instrumento, que enquanto está forte, ela deve continuar, até ficar fraca… e não termos condições de continuar. Temos a cultura de fazer o movimento analisando apenas a nossa força e não a conjuntura e os passos dos inimigos, suas condições, fraquezas e pontos fortes! Ontem à greve estava forte. Uma das mais fortes que já vivi. E foi por isso que 58% das assembleias locais realizadas antes da assembleia estadual decidiram por uma suspensão temporária!
As flores são porque impedimos até agora a votação de uma reforma que traria prejuízos a alunos e suas famílias. Prejuízos irreparáveis. Hoje o governo Ilegítimo Temer não tem maioria para votar a reforma da previdência. Se uma categoria pôde fazer isso, imagina a nossa força se mais categorias pararem. Mas esta guerra não acabou, ganhamos uma batalha, cuja vitória se torna maior ao conquistarmos a garantia de que em Minas Gerais o Governo estadual não fará a terceirização que o Congresso acabou de aprovar assim como não fará nenhuma medida que prejudique o servidor público que for aprovada no mesmo Congresso. Está escrito e assinado! Se isso não é conquista, não sei o que pode ser! Ganhamos esta batalha e precisamos ganhar a guerra. A diferença é que na guerra tradicional, os comandantes vão sacrificando a vida dos soldados! Na nossa guerra, vamos juntos sem oferecer o sacrifício de alguns! Jamais tivemos o envolvimento de tantas redes municipais em nossos movimentos, como jamais conversamos tanto com a sociedade! No dia 08 de março eram poucos que acreditavam no movimento. Persistimos e estamos fazendo o maior movimento do Brasil de luta contra a reforma da previdência. A partir do dia 17 teremos duas semanas para dialogar com a comunidade escolar sobre a terceirização, reforma trabalhista e da previdência para sairmos mais fortes na greve geral do dia 28 de abril! E para retomarmos a greve a qualquer momento, com pais e alunos ao nosso lado, de acordo com os próximos passos do governo na tentativa de retirar nossos direitos!
Bom dia.

Beatriz Cerqueira”


    • José Carlos
    • 14 de maio de 2017
    Responder

    Expões meu amigo Zenir Teixeira diante da militância em Curitiba, so pela força de expressão filho da luta. Mostra o seu despreparo para ocupar o cargo de presidente.

Deixe seu comentário

Posts relacionados