Eloisio Cunha é eleito prefeito de Ervália com 54,33 % dos votos

Eloisio Cunha, do Democratas (DEM), foi eleito prefeito de Ervália, na Zona da Mata, com 54,33% dos votos válidos (7.233). A eleição suplementar ocorreu neste domingo (12) depois o mais candidato mais votado em outubro de 2016, Edson Rezende (DEM), teve a candidatura indeferida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e foi impedido de tomar posse.

Eloisio Cunha, de 48 anos, é natural de Ervália, casado e tem o ensino fundamental incompleto. O outro candidato foi Alex Ruela de Almeida, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que teve 45,67% dos votos válidos (6.081).

Na cidade, dos 16.411 dos eleitores, 14.079 compareceram às urnas. Foram 368 votos brancos (2,61%) e 397 nulos (2,82%). A abstenção foi de 14,21% (2.332).

Atualmente a cidade é administrada pelo prefeito interino, João Domingos Arena, que foi eleito presidente da Câmara Municipal. A Justiça Eleitoral informou que a diplomação dos candidatos eleitos deve ocorrer até 31 de março. A posse fica a cargo do Legislativo, que ainda não divulgou a data.

Candidatos
O empresário Alex Ruela de Almeida (PSDB) e o vice, Luciano Caetano de Andrade (PSDB), concorreram pela coligação “Unidos por Ervália” (PSDB/PR/ SD/PSB) e o comerciante Eloisio Antonio de Castro (DEM) e o vice, José Mauro Godinho (PT), pela coligação “Rumo aos novos tempos” (DEM/PT).

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) informou que Eloisio Antonio de Castro concorreu nas eleições de outubro de 2016 como vice na chapa que venceu nas urnas, mas teve o titular considerado inelegível. Alex também concorreu em 2016, como vice na chapa derrotada.

De acordo com a 107ª Zona Eleitoral, os registros dos candidatos já foram julgados e deferidos. A propaganda eleitoral estava em andamento desde 11 de fevereiro.

 Edson Rezende foi o candidato mais votado em outubro de 2016, com 7.272 votos. No entanto, ele só concorreu após recorrer do indeferimento da candidatura pelo TRE-MG, com base na Lei da Ficha Limpa.

Por isso, ele não teve os votos computados e o pleito permaneceu sob júdice até o resultado do julgamento do recurso em Brasília. O recurso dele foi negado em julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 16 de dezembro.

De acordo com a assessoria do TSE, a maioria dos ministros seguiu o voto do relator, ministro Herman Benjamin. Ele considerou Edson Rezende inelegível por oito anos por ter tido as contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas do município.

A rejeição é referente ao primeiro mandato do prefeito, entre 2009 e 2012. A Câmara Municipal rejeitou as contas referenteavas ao exercício de 2011 em 30 de junho de 2014. Ele foi condenado por improbidade administrativa. Na ocasião, o Ministério Público ajuizou ação contra o prefeito por ter aberto crédito suplementar sem autorização da Câmara Municipal.

A realização de novas eleições em casos de indeferimento do registro do candidato que teve maior número de votos entrou em vigor em 2015 com a atualização no Código Eleitoral.

Veja o resultado da eleição:
– Eloisio Cunha: 54,33% dos votos válidos (7.233).
– Alex Ruela de Almeida: 45,67% dos votos válidos (6.081).

– Votos brancos: 2,61% (368).
– Votos nulos: 2,82% (397).
– Abstenção: 14,21% (2.332).

Fonte: G1 Zona de Mata


Deixe seu comentário

Posts relacionados