Qual o fato determinante para a apuração feita pela CPI dos transportes na Prefeitura de Leopoldina

Segundo o requerimento o pedido é feito nos seguintes termos:

… A constituição de uma COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO – CPI, para, no prazo de 90 (noventa) dias, apurar fato certo e determinado, qual seja, a regularidade do processamento, liquidação e controle das despesas com combustíveis da frota municipal de veículos leves e pesados, incluindo o seu controle e lançamento no SICOM (Sistema Integrado de Contas dos Municípios) do TCE – Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, no presente exercício financeira.

Agora a comissão, após a decisão dos cargos de presidente e relator, começará a investigar mais a fundo os fatos e provavelmente deverá ouvir funcionários públicos que tem relação com os fatos, inclusive motoristas da ativa e aqueles aposentados, pois por estarem envolvidos diretamente no transporte poderão trazer informações sobre o funcionamento do serviço.

Há também, segundo informações extra-oficiais, um funcionário que seria um dos responsáveis pelos lançamentos de dados no SICOM que está de férias e teve um processo administrativo aberto contra ele no dia 01 de setembro de 2017. Trata-se de David Menezes, não sabemos oficialmente se ele era mesmo um dos responsáveis pelos lançamentos, mas os comentários que chegaram aos bastidores da câmara davam essa informação e o mesmo é concursado e mora na cidade de Cataguases.

Na realidade tudo deverá ser apurado, com imparcialidade pelos membros da comissão, no prazo limite de 90 dias e aguarda-se também a divulgação de resultados da auditoria interna da prefeitura que também esta fazendo uma análise de todo o setor de transportes.

Como já mencionamos em outras matérias, o próprio executivo é o maior interessado em esclarecer os fatos e dar transparência aos dados, e caso encontre algum erro com certeza irá modificar os processos para regularizar e evitar a repetição dos mesmos (caso haja).

Hoje à tarde já saberemos quem será o presidente e o relator da CPI, que é composta pelos vereadores sorteados: Kélvia Raquel, Jacques Vilella e Rogério Machado.

NOTA DO SITE:

Não sabemos oficialmente se o processo administrativo tem relação direta com o caso, mas extra-oficialmente essa informação chegou aos membros do legislativo nas reuniões na semana passada e dizem ser os primeiros reflexos da auditoria interna que está em andamento. Há informações também que após a implantação da auditoria interna houve mudanças nas assinaturas de autorizações para abastecimento de algumas secretarias, para melhor controle interno. Como é uma auditoria interna dificilmente teremos divulgação de como anda o processo e a CPI é que terá o poder de investigar externamente os fatos.

Fonte: AMM MG e Site Câmara Municipal de Le opoldina

Requerimento 50/2017 pedindo CPI

Processo administrativo em andamento, cujo extra-oficialmente, dizem ter correlação com o caso

processo administrativo


Deixe seu comentário

Posts relacionados