PUBLICIDADE

Vereadores de Cataguases tentam aprovar redução da carga horária de dentistas de 8 para 2 horas diárias

Câmara_Municipal_de_Cataguases-MG (1)

Os vereadores de Cataguases, tentaram aprovar na noite desta terça-feira (12), o Projeto de Lei nº 4/2017, do vereador Gilmar Canjica, apoiado pelos vereadores Michelângelo Correa e Carlos Alberto Barbosa, que pretende reduzir a carga horária dos dentistas municipais de 8 horas diárias para apenas 2 horas diárias. A aprovação só não aconteceu ontem pelo fato do projeto ter sido declarado inconstitucional pela procuradoria e pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), pois todos os vereadores que falaram na noite foram unânimes com o projeto.
O assunto surgiu após o Ministério Público exigir o cumprimento da carga horária de 8 horas por dia, conforme o plano de cargos e salários da Prefeitura prevê e após a instalação de ponto biométrico nos postos de saúde do município pelo prefeito Willian Lobo, permitindo o controle das horas de todos os profissionais.
O representante dos dentistas, Fernando Moreira, alegou que há mais de 20 anos os profissionais vem trabalhando por produção, que a população não está desassistida com a forma em que os dentistas vem atuando, que praticamente não existe reclamação por parte da população sobre o serviço, que a odontologia municipal foi inclusive premiada pela regional de saúde e que o Município não disponibiliza material para o dentista trabalhar por 8 horas. Para o site Mídia Mineira, Moreira revelou que o salário inicial de um profissional da área, contratado pela prefeitura de Cataguases gira em torno de R$ 1.300,00 por mês para uma carga horária de 4 horas por dia.
Embora não tenha sido dito abertamente na sessão, nos bastidores comenta-se que os dentistas da Prefeitura Municipal de Cataguases pretendem abandonar o cargo caso a carga horária para a qual foram contratados através de concurso público não diminua.
Embora o regime estatutário da prefeitura seja diferente do regime privado, o Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais, diz em sua página que “a lei número 3.999/61 equipara o salário de médicos ao salário de Cirurgiões-Dentistas. Conforme previsto no art. 5º da referida lei, o salário mínimo do Cirurgião Dentista era fixado em 3 (três) vezes o valor do salário mínimo vigente para 20 horas semanais. Porém, a Súmula Vinculante nº 4 do Supremo Tribunal Federal prevê que, salvo nos casos previstos na Constituição, o salário mínimo não pode ser usado como indexador de base de cálculo de vantagem de servidor público ou de empregado, nem ser substituído por decisão judicial. O Projeto de Lei 3.734/2008 pretende alterar a lei n.º 3.999 para estipular em R$7.000,00, sendo o valor horário de R$ 31,81 (trinta e um reais e oitenta e um centavos), o salário de Cirurgiões-Dentistas e Médicos para uma carga horária de 20 horas semanais”.

Diante da questão, os vereadores – representantes do povo – pretendem pressionar o Executivo. Eles acataram a sugestão do assessor jurídico do Executivo, Roosevelt Pires, e devem fazer convite para o secretário municipal de Saúde, Eliermes Teixeira e para o promotor de justiça,  para que ambos compareçam na próxima sessão e ofereçam solução para o problema.

Outros projetos

Os demais projetos da noite não tiveram muita discussão e a maioria não chegou nem a ser votado.
Do vereador Betão do Remo, os projetos 26 e 33 foram declarados inconstitucionais pela CCJR e acabaram sendo retirados da pauta pelo autor. O primeiro projeto pretendia proibir que o corte dos serviços de fornecimento de energia elétrica e água no município acontecessem após as 16 horas de sexta-feira e antes das 11 horas de segunda-feira. O segundo Instituía a concessão de vaga para veículo adaptado para portadores de deficiência do Município.
Do vereador Rafael Moreira, o projeto nº 44/2017 que institui o dia da conscientização da doação de órgãos no Município e distritos, também foi retirado da pauta.
O outro projeto que acabou não sendo votado, foi o de nº 67/2017 do vereador Ricardo Dias, que determina a redução da jornada de trabalho de todos os servidores públicos municipais que tenham cônjuge, filho ou dependente com espectro de autismo. O projeto foi sobrestado por uma sessão a pedido do vereador Betão do Remo.

Projetos aprovados

O Projeto de Lei número 54/2017 do vereador sargento Jorge Roberto, que isenta ao doador de sangue do pagamento de taxas de inscrição em concursos públicos, foi aprovado por unanimidade após acatada a sugestão da CCJR de revogar a Lei 4052/2013 do vereador Titoneli que tratava do mesmo tema. Sargento Jorge disse que entrou com o projeto pretendendo complementar a Lei já existente e não revogar, mas acabou aceitando a sugestão da comissão. O projeto foi aprovado por unanimidade.

Outro projeto do sargento Jorge Roberto que foi aprovado por unanimidade, foi o de número 60/2017 que concede a cada Escola de Samba do município o direito de ter uma barraca em todas as festas realizadas pela Prefeitura de Cataguases, inclusive o carnaval. O projeto não diz como será a prestação de contas dos valores arrecadados pelas barracas.
Por último, os vereadores aprovaram, também por unanimidade, o PL nº 74/2017 dos vereadores Betão do Remo e Marcos Costa (Marquinhos do Açougue) que ratifica o que já é praticado nas licitações, ou seja, proíbe que empresas condenadas em processos criminais participem das referidas licitações ou celebrem contratos administrativos de obras, serviços, compras, alienações e locações, com o Município de Cataguases. Conforme o procurador Geral, Ricardo Spinola, o projeto ratifica o principio constitucional da moralidade.

Fonte: Mídia Mineira


Deixe seu comentário

Posts relacionados

BUSCA

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

PUBLICIDADE

MAIS ACESSADOS

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

NOTA DE FALECIMENTO